NotíciasSaúde

Em MS, só 2 cidades conseguiram vacinar 50% contra a dengue

Compartilhar:

Anda a passos lentos, cerca de quatro meses após começar a ser liberada em Mato Grosso do Sul, a vacinação contra a dengue em crianças e adolescentes. Os dois grupos têm prioridade para se imunizar entre os 10 e 14 anos, conforme os critérios atuais do Ministério da Saúde.

No Estado, apenas Novo Horizonte do Sul e Dois Irmãos e Buriti conseguiram imunizar 50% ou mais da população naquela faixa etária até 24 de maio.

Na data, foram extraídos os últimos dados vacinais apresentados pelo boletim epidemiológico da dengue, publicado pela Secretaria Estadual de Saúde na quarta-feira (29), antes do feriado de Corpus Christi. Nova atualização deve ser divulgada em 5 de junho.

Novo Horizonte havia imunizado, até então, 65,62% do público apto a procurar as unidades de saúde. O percentual representa 317 crianças e adolescentes.

Já Dois Irmãos do Buriti imunizou 821 pessoas, o equivalente a 50,18% da meta na população que é alvo da campanha.

Campo Grande é a cidade que imunizou mais pessoas em quantidade: 61.139. Porém, esse número representa somente 19,89% das que podem receber a vacina, mas ainda não a procuraram.

Ainda segundo o boletim, é possível que os dados de alguns municípios estejam desatualizados devido a falhas e demoras relacionadas ao sistema de lançamento das doses aplicadas.

Dourados – Em parceria com a fabricante da vacina contra a dengue, a japonesa Takeda, Dourados é município que não aparece na lista por ter liberado as doses para toda a população, dos 4 aos 59 anos.

Em abril, a Prefeitura de Dourados informou que havia superado a quantia de 50 mil vacinados com a primeira dose.

Qdenga – É esse o nome da vacina que previne casos graves da doença, e está disponível no Brasil.

Já que ela só pode ser aplicada até os 59 anos, seguindo indicação da bula, os idosos tiveram que ser excluídos da campanha. Eles são o grupo mais vulnerável para agravamento da doença.

Sendo assim, o segundo grupo com mais taxas de hospitalização, que é o das crianças e adolescentes, foi priorizado neste primeiro momento, em que há número insuficiente de doses para atender às populações de todos os municípios.

O esquema vacinal é composto por duas doses. A última deve ser aplicada três meses após a data da primeira imunização.

 

Fonte:CGN

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo