NotíciasSaúde

Ministério compra vacina contra catapora, que está em falta em MS

Compartilhar:

Diante da falta de doses da vacina contra a catapora, o Ministério da Saúde fez compra internacional emergencial do imunizante, conforme publicou hoje (6) a Folha de São Paulo. Mato Grosso do Sul é um dos estados que enfrentam seu desabastecimento.

No Estado, o estoque era considerado zerado até 16 de janeiro. Novas doses não eram recebidas desde outubro do ano passado. Quantidade mínima é reservada para casos de surtos e pacientes com saúde vulnerável.

A pasta federal aguarda a entrega de doses para distribuição em todo o país. A falta da vacina persiste também em São Paulo, Acre, Bahia, Roraima, Pernambuco e Rio Grande do Sul, de acordo com o que apurou o jornal paulista.

Suspensão – O desabastecimento começou a ocorrer desde que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspendeu o imunizante devido a mudança do método de produção. A medida foi tomada em março de 2023.

Em julho do mesmo ano, o órgão sanitário voltou a liberar a distribuição. Porém, a interrupção impactou o cronograma de entrega, segundo justificou o Ministério da Saúde.

Ainda à Folha, a pasta informou que o laboratório fornecedor voltou a fornecer os imunizantes gradativamente. No mês de janeiro, houve entrega de 559.400 doses, que foram distribuídas aos estados. O Campo Grande News questionou a SES (Secretaria Estadual de Saúde) quantas delas chegaram a Mato Grosso do Sul e aguarda retorno.

A doença – A catapora, ou varicela, é uma infecção altamente contagiosa, causada pelo vírus Varicela-Zoster. Ela se manifesta com maior frequência em crianças, entre o fim e do inverno e início da primavera.

Em crianças, geralmente é benigna e tem início, meio e fim delimitado. Em adolescentes e adultos, em geral, o quadro clínico é mais exuberante e requer avaliação específica.

 

Fonte:CE

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo