NotíciasTurismo

2021 foi o ano do turismo espacial

Quando as gerações futuras escreverem sobre a história das viagens espaciais, 2021 pode muito bem ter seu próprio capítulo. “O ano dos bilionários”, pode ser chamado.

Jeff Bezos e Richard Branson fizeram passeios supersônicos até os limites do espaço, finalmente trazendo suas naves espaciais do setor privado concorrentes após cerca de duas décadas de promessas.

Celebridades como o ator William Shatner de “Star Trek”, de 90 anos, e o co-apresentador de “Good Morning America”, Michael Strahan, apareceram logo em seguida. Outro bilionário autofinanciou uma missão histórica de três dias a bordo de uma cápsula orbital SpaceX que voou mais alto do que qualquer humano já viajou em décadas.

E tudo isso promete ser apenas o começo.

O trio de bilionários espaciais —Branson, Bezos e Elon Musk— tem os olhos postos no futuro. No ano passado, suas visões continuaram se chocando, gerando muita controvérsia.

Aqui está uma retrospectiva de alguns dos momentos mais memoráveis ​​que a indústria espacial comercial teve a oferecer no ano passado.

Branson v. Bezos

As empresas espaciais de Branson e Bezos vêm trabalhando há anos para desenvolver espaçonaves capazes de levar clientes pagantes em viagens supersônicas até a borda do espaço, prometendo inaugurar uma era em que reservar um voo para ver a Terra do espaço é tão fácil como um jato através do Atlântico. (Deve-se notar que o SpaceX de Musk não está no jogo do turismo suborbital. Seus foguetes e espaçonaves levam muito mais tempo e caminhadas perigosas para a órbita da Terra.)

Ainda não chegamos lá. Mas os dois bilionários prometeram dar início a seus respectivos negócios de turismo espacial suborbital fazendo eles próprios os passeios, tanto como uma demonstração de sua confiança na segurança de seus veículos quanto em algumas relações públicas estratégicas.

Bezos, fundador da firma de foguetes Blue Origin, planejava se tornar a primeira pessoa a viajar ao espaço a bordo de uma espaçonave desenvolvida por sua própria empresa, prevendo um lançamento em 20 de julho. (A Blue Origin leiloou até mesmo um ingresso para viajar ao lado dele por incríveis US$ 28 milhões, embora o vencedor do leilão não tenha voado no final das contas.)

Então, Branson apareceu, anunciando dias depois que planejava embarcar no próximo vôo do avião espacial movido a foguete desenvolvido por sua empresa, Virgin Galactic, em 11 de julho – nove dias antes da missão de Bezos.

Isso desencadeou uma onda imediata de especulação de que – embora Branson tenha dito repetidamente em entrevistas que não vê sua competição com Bezos como uma “corrida” – havia uma rivalidade acirrada se formando nos bastidores.

Os voos de ambos os bilionários terminaram sem problemas aparentes, com os homens emergindo de suas respectivas espaçonaves equipados com trajes de voo personalizados e iluminando as câmeras.

Para aumentar o espetáculo, os dois voos também transportaram alguns companheiros de tripulação notáveis ​​para os bilionários.

Bezos foi acompanhado por Wally Funk, de 82 anos, que ficou famoso por ter treinado para o programa Mercury da Nasa em 1961, mas nunca foi para o espaço, e por Oliver Daemen, então com 18 anos, filho de um rico empresário. A dupla se tornou a pessoa mais velha e a mais jovem, respectivamente, a viajar para o espaço. (O recorde de Funk foi superado pouco depois por William Shatner, de 90 anos.)

Branson levou consigo a executiva da Virgin Galactic, Sirisha Bandla, que se tornou a segunda mulher nascida na Índia a voar para o espaço e voltar.

Moldando o espaço suborbital

O bem-sucedido lançamento de Bezos em julho catapultou a empresa para um movimentado resto do ano, passando voando algumas figuras de alto perfil como “convidados honorários” – o que significa que eles não tiveram que pagar pelos ingressos.

Shatner fez sua excursão suborbital em outubro, um feito amplamente celebrado pelos fãs de “Star Trek” que foi seguido por um vídeo especial da Amazon no vôo. Michael Strahan e Laura Shepard Churchley, filha do famoso astronauta Alan Shepard, voaram em dezembro.

Enquanto a Blue Origin enviava celebridades ao espaço, a Virgin Galactic enfrentava atrasos significativos. Um relatório do New Yorker revelou que luzes de advertência se apagaram na cabine durante o vôo de Branson e o avião espacial viajou fora de seu espaço aéreo designado por 41 segundos.

A Administração Federal de Aviação suspendeu todos os voos enquanto se aguarda uma revisão, que foi concluída em setembro e deu à Virgin Galactic autorização. Ainda assim, a empresa está atrasando o início dos serviços comerciais, citando atualizações de tecnologia não relacionadas.

Enquanto isso, a Blue Origin tem enfrentado suas próprias controvérsias, embora nenhuma que indique problemas de segurança específicos com seu foguete ou espaçonave.

Em vez disso, um grupo de 21 funcionários atuais e ex-funcionários co-assinou uma carta alegando que a empresa opera um ambiente de trabalho tóxico, onde a “discordância profissional” é “ativamente sufocada”. A Blue Origin respondeu às reclamações dizendo que “não tolera discriminação ou assédio de qualquer tipo”.

Inspiration4 voa mais alto

Embora Musk não tenha planos aparentes de ingressar em uma das missões da SpaceX, sua empresa continuou a provar seus talentos de tecnologia. Ela expandiu drasticamente seu serviço de internet baseado no espaço, Starlink, aumentando a constelação para incluir cerca de 2.000 satélites.

Sua espaçonave Dragon também lançou e retornou astronautas de e para a Estação Espacial Internacional neste ano, e liderou a competição bilionária de turismo espacial com uma missão histórica de turismo espacial própria.

A missão Inspiration4 da SpaceX, autofinanciada pelo bilionário CEO da plataforma de pagamentos Jared Isaacman, enviou Isaacman e três outras pessoas, nenhuma das quais eram astronautas profissionais, em uma viagem de três dias em órbita que viajou ainda mais alto do que a Estação Espacial Internacional – mais alto do que qualquer humano viajou neste século.

Os passageiros flutuaram ao redor da cápsula, tocaram canções, criaram obras de arte e mantiveram contato com o controle de solo enquanto sua cápsula de 4 metros de largura girava ao redor do planeta uma vez a cada 90 minutos, viajando a mais de 17.500 milhas por hora.

A missão tinha como objetivo arrecadar dinheiro para o Hospital Infantil St. Jude, uma causa para a qual Isaacman doou US$ 125 milhões e uma arrecadação de fundos pública arrecadou mais de US$ 118 milhões. Musk prometeu doar US$ 50 milhões.

A coisa toda saiu (quase) sem problemas.

Ainda assim, todas as notícias de bilionários no espaço geraram muitas reações, inclusive de figuras de destaque como o secretário-geral das Nações Unidas e o príncipe William.

Uma “doença está se espalhando em nosso mundo hoje: um mal de desconfiança”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em setembro, acrescentando que inclui “bilionários viajando para o espaço enquanto milhões passam fome na terra”.

Bezos x Musk

No pano de fundo de todo o hype do turismo espacial estava uma batalha tensa que colocou as duas pessoas mais ricas do planeta uma contra a outra.

Bezos e Musk querem que suas próprias empresas estejam no centro dos planos da Nasa de devolver astronautas à Lua nesta década.

Mas depois de planejar inicialmente contratar mais de um empreiteiro para construir o módulo lunar para o trabalho, a Nasa disse mais tarde que só tinha dinheiro suficiente para um – e foi com o SpaceX de Musk. Ela concedeu US$ 2,9 bilhões à empresa.

A Blue Origin lutou contra essa decisão o ano todo, dizendo que a Nasa favorecia injustamente a SpaceX. Enquanto isso, as ofensivas de relações públicas e as batalhas no Twitter começaram.

Mas um juiz federal desferiu um grande golpe na Blue Origin em novembro ao decidir a favor da Nasa e da SpaceX. Isso colocava em questão o futuro dos planos da empresa de propriedade de Bezos de construir um módulo lunar.

A provação destacou a importância dos contratos governamentais para a viabilidade da indústria espacial comercial. Embora essas empresas sejam privadas, seus fluxos de receita ainda dependem fortemente do dinheiro do contribuinte.

E a batalha pelo contrato da sonda lunar da Nasa colocou na fila o que certamente seriam batalhas de alto perfil e alguns anos interessantes à frente, enquanto a Nasa e seus contratados mapeavam um caminho de volta à superfície lunar pela primeira vez em meio século.

 

Fonte:CNNBrasil

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar