EconomiaNotícias

Caminhoneiros ameaçam paralisação nacional na próxima segunda-feira

A CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística) convocou caminhoneiros de todo o país, para uma paralisação por tempo indeterminado a partir da próxima segunda-feira (1º) em protesto contra a inércia do Governo Federal, diante das demandas da categoria.

A entidade apresenta uma pauta com 15 itens, mas prioriza três pontos emergenciais para evitar a greve: a mudança da política de preços dos combustíveis na Petrobras, o retorno da aposentadoria especial após 25 anos de contribuição ao NSS (Instituto Nacional do Seguro Social), e o julgamento da constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da Lei Piso Mínimo de Frete.

Em nota a confederação afirmou que o prazo estipulado pelas entidades para que o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atenda a pauta da categoria termina neste domingo, 31 de outubro, “mas tudo indica que a paralisação acontecerá em razão do forte descontentamento dos caminhoneiros”, ressalta a entidade.

O movimento é organizado pela CNTTL, juntamente com o CNTRC (Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas) e pela ABRAVA (Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores) – entidades que representam 855 mil caminhoneiros autônomos e celetistas no país.

A orientação das entidades é que os caminhoneiros façam a partir de segunda-feira, 1º de novembro,  protestos e permaneçam parados nos pontos de paradas nas estradas de suas localidades e que não efetuem nenhum tipo de carregamento.

Até o momento o que foi apresentado pelo governo federal apenas aumentou a indignação dos caminhoneiros, que passam dificuldades nas estradas para sobreviver devido ao aumento abusivo diesel, além das condições precárias de trabalho.

A proposta do auxílio-diesel no valor de R$ 400,00 feita por Bolsonaro, irritou os caminhoneiros autônomos, que consideram o valor uma “migalha e esmola”.

A declaração do Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, de que a categoria (autônomos) irá sumir ou deve mudar de profissão, tornando-se empregada das empresas de transportes, em evento com empresários, também acirrou ainda mais a indignação dos profissionais do volante.

Para as entidades, isso não é postura de um ministro estadista, que deve ser um mediador dos conflitos e não um defensor do término de uma categoria.

O movimento também aponta que o congelamento do ICMS sobre os combustíveis, não resolve os problemas da categoria. As entidades informam que os caminhoneiros só retornarão à normalidade assim que os três itens principais da pauta forem de fato atendidos pelas autoridades brasileiras.

 

Fonte:CGN

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar