NotíciasPolícia

Ciúmes e acerto de contas podem ter iniciado chacina e onda de violência na fronteira de MS

Após a buscas feitas na ‘cela vip’ do narcotraficante Faustino Ramón Aguayo, o Ministério Publico paraguaio agora investiga a possibilidade de a chacina ter sido motivada por ciúmes e também por acerto de contas entre membros do crime organizado na região. Nesta quarta-feira, tanto o governo paraguaio, em conjunto com a Polícia Federal do Brasil, como o Governo do Mato Grosso do Sul anunciaram força-tarefa para conter a onda de violência.

Durante a vistoria feita na Penitenciária Regional Pedro Juan Caballero na manhã desta quinta-feira (14), foi constatado que a cela mais parecia um apartamento de luxo. Para a surpresa dos promotores envolvidos na operação, com o traficante estava a jovem Mirna Keldryn Romero Lesme, de 22 anos.

Ela é apontada como “pivô” do atentado, segundo informações do ABC Color, uma vez que seria a ex-namorada de Osmar “Bebeto” Álvarez, supostamente envolvido com o narcotráfico e que foi assassinado pelos pistoleiros. Ela também tinha amizade com Haylée Acevedo, filha do governador de Amambay, Ronald Acevedo, que também foi morta na onda de violência.

A polícia investiga que o ataque que resultou na morte de quatro pessoas, além de estar relacionado a um acerto de contas entre traficantes de drogas, uma vez que as investigações indicaram que Bebeto teria uma dívida com Faustino Ramón Aguayo.

Considerando a ligação que Mirna Keldryn tinha com Haylée, as investigações também levam a polícia a acreditar que a filha do governador também era alvo da chacina, uma vez que ela vinha sendo apontada como atual namorada de Bebeto.

Força-tarefa em MS
Segundo o secretário Antônio Carlos Videira, policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar), Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos Assaltos e Sequestros), Batalhão de Choque, DOF (Departamento de Operações da Fronteira), Polícia Rodoviária Estadual, Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos), Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico) e PMA (Polícia Militar Ambiental), que participam da Operação Hórus, do Ministério da Justiça, serão enviados para as cidades-gêmeas.

Quanto ao pedido de envio da Força Nacional e Exército, o secretário afirmou que não tem pretensão de solicitar, pelo menos por enquanto. “As mortes foram em território paraguaio e nossas forças policiais reforçam a segurança de Ponta Porã até Sete Quedas”.

As cidades que receberão o efetivo são Coronel Sapucaia, fronteira com Capitán Bado, Ponta Porã, fronteira com a cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, Paranhos, com Ypejhú, e Sete Quedas, fronteira com Pindoty Porã.

Ainda conforme o secretário, o único homicídio ocorrido no lado brasileiro — do vereador de Ponta Porã Farid Afif — é investigado pela DEH (Delegacia Especializada de Homicídios). “A princípio, o homicídio do vereador não tem nenhuma ligação com os quatro homicídios ocorridos em Pedro Juan Caballero”, afirmou em referência ao atentado ocorrido no sábado (9), que vitimou a filha do governador do Departamento de Amambay, Haylée Carolina Acevedo, de 21 anos.

As equipes permanecerão na linha internacional por tempo indeterminado e operam em sintonia com a Polícia Nacional Paraguaia.

 

 

 

Fonte:MM

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar