DestaqueEventosNotíciasTurismo

MS acaba com toque de recolher a partir do dia 23 de agosto

Mato Grosso do Sul não terá mais toque de recolher a partir da próxima segunda-feira (23). Segundo o governo estadual, que havia definido uma só diretriz a todos os municípios, o funcionamento de estabelecimentos estará permitido em qualquer horário.

Ainda assim, foi destacado pelo presidente do comitê gestor do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança na Economia), Eduardo Riedel, que outros protocolos de biossegurança seguem vigentes, tais como uso de máscaras, distanciamento e higiene das mãos. Por enquanto, o executivo vai definir apenas a lotação máxima dos estabelecimentos, de acordo com a classificação de cada município.

Temos uma variável nova, que é a vacina, e a evolução da vacina” justificou Riedel para essa decisão.

Segundo ele, há redução expressiva em casos e internações nos hospitais, o que levaria a esse afrouxamento das regras. Além disso, ele garantiu que se houver necessidade, restrições poderão voltar futuramente. “O Prosseguir é dinâmico e estaremos muito atentos e não hesitaremos em tomar qualquer medida restritiva”.

Ainda assim, vale destacar que prefeituras têm autonomia em definir as próprias medidas de biossegurança, como o próprio toque de recolher. O decreto estadual tratava de uma forma unificada do combate à pandemia, mas permitia que mais restrições fossem feitas.

Desde o início da pandemia, mais de 363,2 mil pessoas tiveram covid em Mato Grosso do Sul e 9.182 foram a óbito. Na última semana, a média foi de 397 infecções e 14 óbitos por dia.

Na Capital – Procurador Geral do Município, Alexandre Ávalo diz que o decreto municipal, de toque de recolher da meia-noite às 5h, continua vigente, mas que podem haver flexibilizações.

“Até o momento, segue até meia-noite, mas a tendência é uma retomada responsável e gradativa de todas as atividades, inclusive, a retirada do toque de recolher”, esclareceu. Para hoje, o procurador disse que não tem nenhuma reunião prevista a fim de discutir a retirada da medida.

Fonte: CGN

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar