NotíciasPolícia

Vítimas executadas com 10 tiros têm passagens por estupro e homicídio

Compartilhar:

Dorly Ferreira Azevedo e Vitor Lima Prates, ambos de 22 anos, executados com 10 tiros na noite desta quarta-feira (15), em Jardim, têm extensa ficha criminal. No nome deles constam passagens por estupro e até homicídio. A execução pode estar ligada à guerra entre facções criminosas.

Segundo apurado pela reportagem, constam no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) 15 ocorrências criminais no nome de Dorly – desde quando era menor de idade. Entre elas: estupro de vulnerável, roubos, furtos, violação de domicílio, lesão grave, posse e tráfico de drogas.

Vitor Lima Prates também tem passagem pela polícia quando menor, inclusive por homicídio. Contudo, detalhes da ficha dele não foram repassados à reportagem.

Informações iniciais são de que a motivação do crime pode estar ligada à guerra entre as facções criminosas CV (Comando Vermelho) e PCC (Primeiro Comando da Capital). A dupla suspeita de cometer a execução ainda é procurada pelas autoridades

Crime – Um vizinho contou que estava sentado sob uma árvore, quando viu dois homens se aproximando de moto e parando em frente ao imóvel da Vila Angélica. A dupla entrou no imóvel e passou a atirar contra as vítimas. Na sequência, fugiu sentido à Avenida 11 de Dezembro.

Dorly foi atingido por quatro tiros e morreu no local dos fatos. O corpo foi encontrado caído na sala da casa. Vitor foi atingido por seis tiros, socorrido e chegou a dar entrada na unidade de saúde de Jardim. Para a PM, ele contou que não conhecia os autores. Vitor precisou ser transferido para a Santa Casa de Campo Grande, mas morreu no trajeto. (Com colaboração do site Jardim MS News).

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo