CulturaEventosNotíciasTurismo

“Música Fora da Pauta”, programa comandado por Marcos Assunção, debate a arte musical

Guitarrista, violonista, violeiro e compositor, Marcos Assunção discute agora a música no campo das ideias, tratando sobre a importância dessa forma de arte e até mesmo de assuntos mais profundos, como sendo essa vertente artística uma fonte de esclarecimento ou alienação cultural, por meio de um quadro chamado “Música Fora da Pauta”, em seu canal no YouTube.

De acordo com a própria descrição da proposta, “Música Fora da Pauta” não tem a pretensão de elencar respostas aos dilemas atuais. “Mas, saindo da inércia, mergulharmos no mais profundo conhecimento sobre a importância da boa música para a educação na formação de uma sociedade melhor! Mergulhamos na filosofia, ciência, metodologias e virtudes essenciais das Escrituras Sagradas”, explica.

Desenvolvedor de ideais como o trabalho “Viola Brasileira, volume 1”, sobre os efeitos da pandemia em sua rotina artística, Marcos conta que: “o cancelamento abrupto de uma agenda veio acompanhado de uma ansiedade, acometida pela incerteza dos acontecimentos futuros e da
histeria resultante de distopia anunciada pelos meios midiáticos”.

“Ao mesmo tempo, exigiu-me uma autoavaliação e proporcionou-me um olhar para mim mesmo, resultando em questionamentos que fundamentassem o verdadeiro valor da vida e a importância da
música na vida das pessoas”, aponta o instrumentista campo-grandense.

Marcos destaca ainda que descobriu: “que a música, assim como a arte de excelência, em geral, foi uma importante ferramenta que ajudou o ser humano de forma direta no enfrentamento deste momento de caos, porque a própria psicologia reconheceu que a arte é um mecanismo
que anula a neurose provocada pela nossa consciência de morte”, pontua.

“Antes dos decretos governamentais decorrentes da pandemia, havia fechado uma pequena agenda de concertos com instituições ligados a cultura, para divulgação do meu livro ‘Viola Brasileira, volume I’, lançado em novembro de 2019, no Sesc Cultura. Entre eles um concerto com master class no município de Cassilândia para uma orquestra de viola e um convite para participar do 7º Bonito Blues & Jazz Festival”, conta Marcos.

Seguindo a linha do que é hoje o “Música Fora da Pauta”, ele conta que, ainda em 2019: “já pensava em criar um programa que elencasse o valor da educação musical. Foi em 2016 que iniciei de forma
apaixonada o desejo de mergulhar na filosofia. Foi com os gregos que a música tornou-se uma arte a ser apreciada e respeitada como uma linguagem rebuscada decisiva na formação do ser humano
virtuoso e capaz de compreender a real beleza da vida”.

“Platão defende que ‘a música penetra no fundo da alma e, aumentando a capacidade de diferenciação do feio e o imperfeito nas obras de arte e na natureza, nutre o homem de conhecimento, tornando-o honesto’”, diz Marcos.

Levando em conta estímulos e sensações que são refletidos em nosso corpo quando
escutamos uma canção, na visão do instrumentista: “muitos músicos materializaram a música e reduziram-na a uma forma física e mecânica, anulando os fatores transcendentais que nos  acometem quando tocamos um instrumento ou ouvimos música. É um assunto de importância”.

“Os efeitos são vários, se levarmos em consideração que a música é um fator ligado às emoções do ser humano. A neurociência cognitiva reconhece que a música é algo somente interpretado pelo cérebro. Portanto, quando ouvimos música ela pode ocasionar sentimentos, esperanças, lembranças, desejos, crenças e experiências no universo das emoções”, afirma Marcos Assunção.

Diferindo-nos dos animais e exaltando a diferente compreensão que temos da música, ele complementa dizendo: “ratifico refletir da sua real importância na vida de todo o ser humano, não mais reduzindo-a como mero entretenimento. Admite-se então que a música é um privilégio da
espécie humana”.

“São nossos hábitos de antropomorfismo que nos fazem qualificar de ‘canto’ o grito dos pássaros. Mas temos também, em minha opinião, dois tipos de música: a que esclarece e a que aliena”, comenta Marcos. Ele revela que: “essa foi a engrenagem do segundo programa que me custou dois
meses de leitura e construção do texto, para assim, iniciar a produção do audiovisual”, detalha Marcos sobre sua produção.

Para reforçar seu ponto, o músico cita o argumento do escritor, poeta e compositor Fernando D’Andréa, convidado do segundo Música e ser humano programa: “O reflexo da arte excelente que
faz o ser humano compreender o mundo e a realidade tão necessária à vida para alcançar o equilíbrio e a felicidade nas virtudes”.

“Na minha opinião, o artista é um condutor de esperança de um mundo mais humanizado. Se não houvesse o esforço para organizar os sons, não existiria a música”, faz questão de ressaltar.

Finalizando, Marcos fala que: “assim, o artista. sem a coragem e determinação de alcançar – uma maturidade autoimposta, as virtudes necessárias e o conhecimento de si mesmo –, não atingirá os elementos que se comunicam e enaltecem a alma humana. Serão apenas ilustrações de  espetáculos vazios, ou seja, buscando apenas números expressivos de seguidores sedentos de
satisfazer suas compulsões temporárias”.

Serviço: Você confere os programas por meio do canal Marcos Assunção no YouTube. Mais
informações no site marcosassuncao.com.br.

Fonte: JOrnalOEstado

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar