Com 14 mil inscritos e só 73 aprovados, concurso de professor vira polêmica
2019-01-30 12:00:00
A divulgação do resultado da primeira fase do concurso para professor da rede estadual de ensino trouxe um número de impressionar: apenas 73 aprovados de um total de 14.370 inscritos. A prova foi aplicada em 16 de dezembro do ano passado e o concurso ofertou mil vagas. Em Física, por exemplo, nenhum candidato foi aprovado.

Para quem participou, a quarta-feira (dia 30) é de reclamações e denúncias à Ouvidoria da SAD (Secretaria Estadual de Administração e Desburocratização) e do MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

Inscrito para a prova de Física, que não teve nenhum aprovado, um candidato, que pediu para não ter o nome divulgado, reclama do pouco tempo, foram quatro horas para resolver 80 questões e da impressão da prova, com textos sem parágrafos.

Professor em Iguatemi, Marcos da Silva Ferreira conta que fez denúncias à SAD e ao Ministério Público. Segundo ele, na última quarta-feira (dia 23) à tarde a área do candidato, no site da Funrio (Fundação de Apoio, Pesquisa e Assistência do Rio de Janeiro), mostrou que seu recurso para a questão 18 da prova de Conhecimentos Pedagógicos tinha sido indeferido. Hoje, o resultado é recurso aceito e questão anulada.

Para o candidato, questões foram anuladas para aumentar o número de aprovados. O cronograma previa que o resultado divulgado hoje seria publicado na última sexta-feira (dia 25). Cada prova é individualizada e o gabarito disponível a cada candidato. “Mas o gabarito tinha que ser divulgado para todo mundo”, afirma Marcos.

Ainda de acordo com ele, as questões da prova de Conhecimentos Pedagógicos não obedecem as questões aplicadas e outros concursos da Funrio. Marcos também questiona a qualidade de impressão da prova.

“A fonte era pequena, comprometendo a leitura e levava muito tempo para conseguir procurar as informações naquele texto sem parágrafo e sem espaçamento. Agora, no gabarito oficial, corrigiram isso. As questões aparecem com parágrafo e espaçamento”, diz.

A taxa de inscrição para o concurso público de provas e títulos, edital 01/2018, foi de R$ 216,16. Aplicada em Campo Grande e Dourados, a prova escrita objetiva tinha três divisões: Língua Portuguesa (15 pontos), Conhecimentos Pedagógicos e Metodológicos (25 pontos) e Conhecimentos Específicos (40 pontos).

Conforme o edital, seria considerado aprovado o candidato que obtivesse no mínimo 60% dos pontos estabelecidos para cada matéria. Desta forma, para ser aprovado, teria que fazer, ao menos, 9 pontos em Português, 15 pontos em Conhecimentos Pedagógicos e 24 pontos em Conhecimentos Específicos.

O candidato poderá interpor recurso em razão de erro na somatória da respectiva pontuação na prova escrita ou por omissão de nome no edital. O período para recursos vai de hoje (30 de janeiro) às 17h de amanhã.

Conforme o governo, o adiamento da divulgação do resultado da primeira fase, previsto para dia 25, foi devido ao número elevado de recursos, que exigiu análise mais criteriosa das solicitações.

O sistema de segurança utilizado pela Funrio aplica provas diferenciadas conforme o quantitativo de candidatos por sala. A metodologia, somada ao número de inscritos, e as provas aplicadas para 12 áreas específicas, contabilizou 650 gabaritos diferentes.

Sobre a anulação de questões e qualidade da impressão da prova, a reportagem fez contato com a SAD, mas não obteve resposta até a publicação da matéria.
Fonte: CGN
Comentrios.
Deixe um comentrio.