Maratonista de Campo Grande corre o Bonito Cross, de olho em Londres
2019-01-17 10:11:12
Engenheira ambiental de profissão e maratonista por paixão, Tatiane Lorena Bergamo Santin, a Tati Santin, de 32 anos, uma goiana de Itumbiara radicada em Campo Grande desde os dois anos de idade, já traçou a sua estratégia para encarar o Bonito Cross nos dias 16 e 17 de fevereiro na área rural de Bonito. Ela vai competir nos 12,2 km da prova de trail run (corrida de trilha) como parte da sua preparação para a Maratona de Londres, uma das principais provas de rua do mundo, que será disputada no dia 28 de abril.

Por ser uma prova curta, se comparada com os 42,195 km da Maratona de Londres, e sem a mesma exigência física e mental, a corrida de trilha do Bonito Cross, segundo Tatiane Santin, vale pela motivação por correr dentro do estado em um universo completamente distinto de uma prova de rua e será importante para manter aceso o espírito de competição.

“Provavelmente no final de semana do Bonito Cross eu devo fazer uma quilometragem maior de treino no mesmo dia ou no dia seguinte porque é preciso cumprir certinho o cronograma da preparação, não deixar faltando nada do treinamento básico para a maratona”, afirmou.

Mas, mesmo com programação de treinamento para a Maratona de Londres no mesmo dia da prova no Bonito Cross, Tatiane Santin descarta a ideia de vantagem ou facilidade para um maratonista em uma corrida de trilha.

A atividade até pode ser a mesma, mas são esportes com muitas diferenças a serem encaradas pelos participantes, e uma prova de trilha, embora disputada em percursos mais curtos, significa desafios importantes também para quem disputa maratonas. Segundo ela, na corrida de trilha por estradas de terra, terrenos acidentados, subidas, descidas e mata fechada é preciso jogar o jogo e se superar em cada obstáculo.

“Eu acho que em corrida de trilha em primeiro lugar você precisa ser destemido, e eu sou uma pessoa completamente destemida, sou corajosa e competitiva. Na trilha você não pode ter medo de que algo saia errado, é preciso jogar o jogo porque definitivamente você tem que se superar, pular obstáculos e nada de nojinho. Tem que colocar a mão na terra se for preciso”, alertou Tatiane. “Por ser maratonista, isso me ajuda na parte de resistência”, ressaltou.

Corredora amadora, mas com foco de profissional, Tatiane Santin treina até duas vezes ao dia pelas ruas e parques de Campo Grande, sempre no início da manhã e no final da tarde, acumulando as funções de engenheira, esposa e mãe de dois meninos, o João, de 5 anos, e o José, de 8 anos.

“A minha rotina de treinamento é bem maluca. Como sou autônoma, tenho um horário bem flexível e assim eu consigo fazer minha programação com os horários de escola dos meus filhos, levar e buscar. Em resumo eu treino, trabalho, almoço com a família, dou atenção aos meus filhos, trabalho mais um pouco, e depois treino de novo. Acordo normalmente às 4h porque tenho que organizar o café da manhã e preparar as crianças para a escola antes de sair para treinar, normalmente às 5h30 da manhã”, revelou.

Corrida superando depressão - Tatiane Santin conta que a sua paixão por correr nasceu a partir de um diagnóstico de depressão pós parto, há 8 anos. Seu médico recomendou que alinhasse o tratamento medicamentoso com a prática de algum esporte aeróbico, ela optou pelas corridas de rua e nunca mais parou.

“Eu já fazia musculação antes, mas não fazia corrida, não fazia nada de aeróbico, e o médico insistiu que esse tipo de atividade ajudaria na produção de endorfina. Então, foi assim que eu comecei a correr, primeiro só fazendo corrida de rua e depois passei a fazer provas de aventura. Na verdade eu sempre gostei de aventuras. Comecei por corridas de rua, mas gosto dos esportes de aventura e quero fazer cada vez mais provas de trail run, cross, enfim”, afirmou.

Desde a indicação médica, há oito anos, o currículo esportivo de Tatiane Santin já registra seis maratonas, sendo quatro internacionais, e dezenas de meias maratonas. Nada mal para uma atleta amadora que tem na superação dos próprios limites o seu maior objetivo. “Em Londres vou para a minha sétima maratona, a quinta internacional”, diz ela orgulhosa da sua conquista.

No exterior, Tatiane esteve nas tradicionais provas de Nova York, Boston e Chicago, nos Estados Unidos, e na de Berlim, na Alemanha, e no Brasil disputou duas vezes a Maratona de Porto Alegre. Em meias maratonas, ela destaca as provas de Paris, Rio, São Paulo e Foz do Iguaçu.

Além das corridas de rua, Tatiane é competitiva também no ciclismo. Em 2018, ela encarou a superação de uma clavícula quebrada em um acidente sofrido no mês de abril, passou por cirurgias e já em setembro, ou seja, cinco meses depois de se acidentar, chegou ao pódio no L’Étape Brasil realizado em Campos do Jordão (SP).

O L’Étape Brasil, além de fazer parte do lendário Tour de France, é considerado a principal prova de ciclismo amador da América Latina. Na etapa de 2018 em Campos do Jordão teve 2 mil inscritos nas provas de 77,2 km (curto) e 117,4 km (completo).

Inscrições só até domingo - O prazo de inscrições no Bonito Cross vai até o próximo domingo, dia 20. A competição que abrirá o calendário sul-mato-grossense dos esportes de aventura em 2019, dias 16 e 17 de fevereiro, em Bonito, distante 297 km de Campo Grande, será disputada nas modalidades de Trail Run (Corrida de Trilha), Cross MTB (Mountain Bike) e Cross Duathlon (pedal e corrida).

Conforme o regulamento, as três modalidades, todas abertas ao público masculino e feminino, vão reunir competidores com idade entre 18 a 29 anos, 30 a 39, 40 a 49 e acima de 60 anos no Trail Run; 16 a 29 anos, 30 a 39, 40 a 49 e a partir de 50 anos no Duathlon e Mountain Bike. A inscrição pode ser feita no site - http://bonitocross.com.br/

Tatiane comemora sua medalha de maratonista com os filhos João e José, uma rotina há oito anos (Foto: Arquivo pessoal)
Tatiane comemora sua medalha de maratonista com os filhos João e José, uma rotina há oito anos (Foto: Arquivo pessoal)
Fonte: CGN
Comentrios.
Deixe um comentrio.