Guavira é estrela de festival gastronômico em Bonito
2018-11-28 09:17:43

?Vamos catar guavira?? A expressão que pode significar muito mais do que tirar a fruta do pé é o que dá nome ao festival Eco Gastronômico que Bonito sedia nesta sexta, sábado e domingo. Com programação gratuita de aulas shows e palestras, o Cata Guavira vai movimentar chefs de cozinha, pesquisadores e público em geral ao redor da guavira. Seja ela fruta ou especiaria.

Na quinta edição, a idealizadora Letícia Krause explica que o evento foca na valorização e na preservação do cerrado.  De Curitiba, a chef mora em Bonito desde 2010 e foi aqui que conheceu e passou a explorar ao máximo o potencial da fruta.

Da guavira, a gente consegue tirar da polpa até a casca. Especialidade do produtor rural Almiro Kelm, que por amor à fruta, fez até música para a guavira. 

Aos 72 anos, seu Almiro cantarola pelo telefone um trecho da canção feita com o amigo Valdenir de Brandão. ?Quando eu comecei a fazer mesmo, eu não estou lembrado, mas acho que foi 2008?, conta. Na realidade, desde que o gaúcho chegou a Mato Grosso do Sul, na década de 1970, ele começou a catar guavira.

?Eu sempre gostei e queria fazer muda, procurei para plantar em 74, depois eu achei andando por aí. Aí tive um sonho?, completa. O sonho se tornou realidade anos depois: ?de um campo cheinho de guavira e o pessoal catado?, resume bem a história. Mas a especiaria mesmo nasceu da curiosidade somada à uma palestra que seu Almiro conta ter assistido certa vez, de que a casca da uva tinha mais propriedades do que a própria uva. ?Aí eu estava em uma fazenda e deu uma enchente. Fiquei isolado e não tinha o que fazer, fui procurar guavira e comecei a mastigar. Sabe que depois disso, não me deu fome, nem nada??recorda.

Em seguida, o senhorzinho passou a secar a fruta, depois a triturá-la até chegar ao processo que faz hoje, de ?espremer?.

?Você separa a polpa e espreme a fruta, eu faço naquelas telas tipo de janela, aí coloca para secar. E o que dá para fazer? Ah, minha filha... Guavira é mil e uma utilidades?, declara Almiro.

Das receitas, o produtor diz que a cozinha ainda não descobriu tudo o que a guavira é capaz de fazer. ?Mas dá para usar em tudo: carne, no lugar do café e do chocolate no leite, eu faço pão, uso no arroz?, exemplifica.

E é justamente esta infinidade de pratos preparados a partir dela que o festival vai ter o lançamento do livro ?Guavira: Receitas e Histórias?, organizado por Letícia e pelo chef Paulo Machado.

Dentro da programação do festival, uma das palestras vai falar sobre tendências e possibilidades para utilizar a guavira em cosméticos. Farmacêutica, Fernanda Fialho é quem vai um pouco do que tem pesquisado e produzido da fruta. Da casca da guavira, por exemplo, dá para fazer esfoliante e corante para maquiagem.

?A gente pode fazer um processamento desta cascae deixá-la microparticulada para aplicação em cosméticos como esfoliante ou um sabão cremoso e se você processar em uma partícula ainda mais fina, pode ser utilizada como corante para maquiagem, que é uma das tendências mundiais, de se usar pigmentos naturais?, explica.

Da folha é possível fazer óleo essencial e a partir dele criar até uma perfume.

?Nós fizemos uma água de colônia, porque o óleo essencial da guavira tem um alto poder de fixação e os perfumes são bons quando têm boas fragâncias e fixação. Ele tem um leve cheiro amadeirado?, descreve.
O Cata Guavira acontece no auditório do Sebrae e na Feira do Produtor na cidade de Bonito, com entrada gratuita, com exceção das refeições.

PROGRAMAÇÃO

30/11/2018
LOCAL: SEBRAE
14h - O que é o CATA (Centro de Atenção e Técnicas com Alimento). Importantes conexões com movimentos sustentáveis, com Letícia Krause.
14h30 - Boas-vindas: Guavira como símbolo do MS, com Renato Câmara.
15h - Valorização do Festival da Guavira ? importância do Festival para o Município e como a sociedade Bonitense pode se apropriar do evento, para que este se consolide no calendário de Bonito, com Tó - Restaurante Tapera e Augusto Barbosa Mariano, Secretário de Turismo de Bonito.
15h50 - Preservação, conservação e cultivo da Guavira, com Ana Ajalla - Agraer
17h05 - Tendências e Possibilidades para utilização da Guavira (cosméticos, medicamentos, alimentos etc.), com Fernanda Fialho de Oliveira - Ph Cosmetics

LOCAL: FEIRA DO PRODUTOR
8h - Abertura do evento: Ecogastronomia e o Bioma do Cerrado com degustação de um shot de alegria, com a chef Dede Cesco (realizadora da comitiva dos chefs de Mato Grosso do Sul)
8h30 - Lançamento do livro Guavira, Receitas e Histórias e explicação do processo de produção da especiaria de guavira. Organizado por Letícia Krause, A.C. Soares do Restaurante Tapera e Almiro Kelm
9h - Aula show: degustação do queijo de Baru com especiaria de guavira e queijos da fazenda, com Michele Cristina e Hugo Rodas
12h - Música ao vivo com o Grupo Terça das Quintas.
Disco Xepa - almoço feito a partir de ingredientes dos feirantes com o movimento Slow Food, com Magda Moraes, Marlon Liborio, parceiros CATA Guavira e alunos da Unigran.
14h30 - Oficina: Desossa de peixe de rio, com Adriano Torres (SENAC-MS).
Oficina: Cromossomo do Amor e degustação de ceviche com Edu Rejala e Silvio Trujillo.

02/12/2018
Almoço beneficente, criado para arrecadar fundos para a Fundação Pestalozzi. Será realizado à beira do Rio Formoso, no Refúgio da Barra, com música ao vivo. Com ingressos pagos. Confira a programação completa no site:
https://www.cata.eco.br/agenda.

Fonte: CE
Comentários.
Deixe um comentário.