Com 42 mortes na Capital em 2018, Detran cria setor de fiscalização
2018-07-12 12:11:58
Com 42 mortes no trânsito de Campo Grande, e flagras cadas vez mais comuns de imprudência por parte dos condutores, o Departamento de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran-MS) criou o setor de Fiscalização de Trânsito. A ação dos 30 servidores na fiscalização teve início em junho, e já no primeiro mês foram registrados 69 autos de infração.

Entre as irregularidades identificadas chamou a atenção os casos de motoristas embriagados e com Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa ou mesmo sem o documento, motociclistas que levavam crianças sem capacete e a falta do uso do cinto de segurança. “As infrações são comuns, quase sempre temos casos de condutores embriagados, desrespeitando as leis de trânsito.

Obviamente precisamos aumentar a fiscalização, mas as pessoas também precisam agir com mais prudência”, opinou o coronel José Amorim Longatto, assessor militar do Detran e ex-comandante do Batalhão de Trânsito (BPMTran) da Capital.

O novo setor de fiscalização terá 30 agentes que devem atuar em conjunto com a Polícia Militar, Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) e Guarda Civil Municipal. Outra infrações cometidas no dia a dia também já foram identificadas durante o primeiro mês de atuação. Na última ação realizada pelo grupo ontem (11), na Avenida Dom Antônio Barbosa, foram flagrados 154 motoristas trafegando em alta velocidade. As câmeras e radares utilizados chegaram a registrar condutores que seguiam com velocidade superior a máxima permitida na via em mais de 80%.

“Teve um caso que o condutor trafegava a 94 km/h, velocidade alta até para estrada, as a pessoa estava dentro da cidade”, afirmou o chefe do setor, André Canuto.

No ano passado o Estado registrou 366 mortes no trânsito, 20% das vítimas foram em Campo Grande, total de 70. Entre 2013 e 2017, total de 2.258 pessoas morreram vítimas de acidentes de trânsito no Estado, a Capital registrou 38,4% dos casos. No mesmo período 69.628 pessoas sofreram algum tipo de lesão em acidentes, o que corresponde a 3,8% da população de Mato Grosso do Sul.

“Nossa intenção é melhorar a fiscalização, no futuro levar o projeto para o interior. Queremos salvar vidas, e ter paz no trânsito”, afirmou o diretor-presidente do Detran, Roberto Hashioka.
Fonte: CE
Comentrios.
Deixe um comentrio.