Posto que vendeu gasolina a R$ 9,99 no DF, na greve, é fechado pela BR Distribuidora
2018-06-09 07:25:05

A BR Distribuidora, controlada pela Petrobras, determinou o fechamento de um posto de combustíveis do Distrito Federal que, durante a greve dos caminhoneiros, vendeu o litro da gasolina a R$ 9,99.

A reportagem foi ao local em Águas Claras nesta sexta-feira (8), e se deparou com um canteiro de obras. A fachada já foi descaracterizada, e o acesso, coberto por tapumes de metal. A reportagem não conseguiu contato com o proprietário do posto para perguntar o que será feito no lote.

Segundo a empresa, o posto ? que funcionava com a bandeira da Petrobras ? já vinha descumprindo o contrato há cerca de dois anos. O preço abusivo, segundo a BR Distribuidora, foi "o ponto final da questão".

A Petrobras não informou quais foram as outras normas descumpridas, mas explicou que "há recomendações" que o revendedor de uma distribuidora desse porte deve cumprir.

A lista inclui: comprar combustível apenas da distribuidora vinculada, participar das campanhas e promoções da rede, e fazer todos os pagamentos no prazo.

Ainda segundo a Petrobras, o posto que recebeu ordem de fechamento sempre pertenceu à bandeira BR. Há quatro meses, devido aos conflitos com a rede, a fachada foi "renomeada" para a sigla JR.

A distribuidora diz, ainda, que fez várias notificações extrajudiciais nos últimos anos. Sem sucesso, teve de recorrer à Justiça para garantir o fechamento do comércio.

Relembre
O cartaz de R$ 9,99 surgiu na madrugada do último dia 24, quando os estoques de combustíveis no DF começaram a sumir. O motivo era a greve de caminhoneiros, que complicou o fluxo de produtos para a capital federal por quase duas semanas.

Pelo menos dois postos da região adotaram a mesma estratégia. O posto que foi fechado, da BR Distribuidora, fica a poucos metros de um outro, que opera sob a bandeira Ipiranga e foi flagrado pela redação da TV Globo naquela madrugada.

Mesmo com o valor abusivo, havia dezenas de carros enfileirados para encher o tanque. "Todos que estavam na fila abasteceram a esse preço", contou o servidor público Alex Nunes, naquele momento.

Os consumidores também informaram que o posto estava se recusando a emitir nota fiscal. Com as reclamações, cerca de meia hora depois do registro, o valor caiu para R$ 5,99 ? uma cifra acima do que, depois, foi definido como "teto" para o combustível no DF.

Na época, ninguém do posto quis comentar o assunto. No dia 25, poucas horas após o flagrante, a Polícia Civil informou a abertura de uma investigação contra o estabelecimento. A suspeita é de aumento abusivo de preço, considerado crime contra a economia popular.

Fonte: G1
Comentários.
Deixe um comentário.