Folha de SP destaca Bonito na edição deste domingo
2018-05-28 17:36:11

O patrimônio natural singular e a expertise na gestão sustentável desde meados dos anos 1990 fizeram de Bonito (MS) um exemplo inspirador para o ecoturismo nacional. E a fama segue muito bem preservada, assim como seus atrativos –a maior parte deles dentro de propriedades privadas.

As grandes atrações são as flutuações nas águas cristalinas, como as do rio Sucuri. Com máscara, snorkel, coletes salva-vidas e roupas de neoprene –a água é fria–, os visitantes embalam na suave correnteza na companhia de peixes do Pantanal.

Na gruta do Lago Azul, a limpidez e os tons de suas águas a tornam parada obrigatória. Uma escadaria rústica com quase 300 degraus separa a entrada do poço cristalino com 90 m de profundidade.

O Parque das Cachoeiras tem seis delas, com águas transparentes e até uma tirolesa. Já a cachoeira da Boca da Onça é a mais alta do Estado de Mato Grosso do Sul, com 157 m de queda. Tem acesso por meio de uma trilha simples de quatro quilômetros.

O Abismo Anhumas é restrito a 16 visitantes diários. Acessível por rapel até uma caverna submersa, permite mergulhar com cilindro. Custa R$ 910 por pessoa.

O esforço é imediatamente recompensado. A 312 km de Campo Grande, Bonito soube explorar suas riquezas naturais como poucos destinos brasileiros.

Planos de manejo e limites diários de visitação estão entre as receitas para manter a conservação de rios, cavernas e cachoeiras.

Na dúvida entre qualidade e fartura de quedas d'água, fique com as duas.

Banho de rio

Gruta do Lago Azul em Bonito (MS) 2018-05-20 10:51:09

[1 de 6]

*


Fonte: FolhaSP
Comentrios.
Deixe um comentrio.