Sem o amor, sem o sorriso e sem a flor
2018-05-19 12:14:12
O drama de um dos maiores inventores da música brasileira: dívida milionária e encrencas com os filhos

Em um vídeo gravado há poucos meses, o músico João Gilberto está sentado em um sofá azul com camisa mesclada no mesmo tom, e faz uma das coisas mais raras em sua vida: fala para uma câmera sem estar com um violão no colo ou em um palco. O ícone da Bossa Nova discorre sobre a triste celeuma familiar que envolve sua vida recente. Começa citando a diferença entre acusar políticos que cometem fraudes e acusar pessoas inocentes, sem provas. E chega ao objeto do raciocínio, que é a defesa da ex-namorada Cláudia Faissol, mãe de sua filha caçula. Sereno e se expressando com a característica voz delicada e baixa, além de gesticular seguidamente uma das mãos, ele diz: “Acusam, difamam. Vou falar isso hoje com a Heloísa (Heloísa Maria Buarque de Hollanda, a cantora apelidada de Miúcha, sua ex-mulher e mãe de sua filha, a também cantora Bebel Gilberto). Nada justifica atacar um direito, seja por parte de quem for, ou acusar a Cláudia, uma menina lutadora.” O registro foi feito no apartamento alugado em que morava, no condomínio Jardim Leblon, no bairro de mesmo nome, no Rio de Janeiro, e se refere às brigas entre os filhos mais velhos, João Marcelo (da cantora Astrud Gilberto) e Bebel, contra Cláudia.

Penúria financeira

Em um ambiente bonito e agradável e sem similaridade com as notícias de que estaria vivendo um caos doméstico, o intérprete de “Chega de Saudade” fez seu curto desabafo. Era o mesmo João Gilberto que nos acostumamos a ver em fotos desde que chegou à meia idade, e sem aparentar os 86 anos que, de fato, tem. O cantor, que demonstra boa saúde física e mental, foi despejado do imóvel logo depois, por falta de pagamento, e mudou-se para um apartamento emprestado pela empresária Paula Lavigne, na rua Marquês de São Vicente, na Gávea, zona sul, em companhia de uma antiga ex-namorada e atual amiga, a portuguesa nascida em Moçambique Maria do Céu Harris. A troca de endereço tem a ver com os problemas financeiros e as desavenças entre familiares sobre qual seria a melhor forma de gerir sua carreira e as finanças. O ato final, por enquanto, foi a interdição judicial temporária, determinada mês passado, que o conduziu para a curatela temporária da filha. O processo corre em segredo de Justiça e a advogada de Bebel, Simone Kamenetz, explicou a motivação: “Por fim aos negócios temerários que João vinha sendo orientado a firmar e que resultaram em sua atual condição de miserabilidade”.

Os filhos mais velhos do “pai da Bossa Nova”, como ele é chamado, Bebel e João Marcelo Gilberto, acusam Cláudia — mãe da irmã deles, Luísa, hoje com 15 anos — de ser a responsável pelo estado de penúria financeira que o cercaria atualmente. Mas Bebel e João Marcelo também brigam entre si. Ele postou acusações sérias à irmã no Facebook: “Não fiquei ciente das maquinações legais ou físicas que minha irmã tomou/está tomando em relação ao meu pai.” A advogada Simone rebateu: “Não é verdade. Tentamos algumas vezes que ele participasse do processo, mas perdemos o contato”. João Marcelo transformou o pai em réu em outra ação, pedindo pagamento de pensão à neta, Sophia, então com dois anos – o que foi negado pela 2º Vara de Família do Rio. Depois, explicou que o objetivo da ação era apenas conseguir informações sobre a vida do pai, pois ele havia sido “confiscado” da família. Ele atribuiu o fato a Cláudia e disse que ela “continua a roubar” o cantor e que é “uma criminosa”.

Um episódio resume bem o circo em volta do artista que passou a vida inteira tentando não se expor. Há exatamente um ano, Cláudia e Luísa tocaram a campainha do apartamento de João Gilberto para que os três seguissem juntos para o aeroporto com destino a Nova York, onde ele receberia o título de doutor em música da Universidade Columbia. Porém, ele não abriu a porta e nem atendeu o telefone, embora tivesse redigido e assinado uma resposta confirmando a presença, conforme demonstra o documento obtido por ISTOÉ. A partir daí, há duas versões: a de que ela teria chamado o Corpo de Bombeiros para arrombar a porta e tentado entrar na casa pela janela, o que é veementemente negado por ela, e a de que apenas chamou o chaveiro para poder entrar já que estava “obviamente preocupada” com a possibilidade de ele ter se sentido mal. Os bombeiros teriam sido chamados por vizinhos.

Visitas da caçula

O advogado Leonardo Amarante, que defende os interesses de Luísa, revelou que estuda a possibilidade de entrar com uma ação de regulamentação de visita pois a situação chegou a um limite inaceitável e a menina estaria sendo impedida de ver o pai no novo endereço. “Esperamos que não seja necessário recorrer a isso para que a Luísa possa visitar o pai”, diz. “Relutamos porque essa medida chega a ser bizarra. Se o pai e a mãe estão de acordo que a filha deve visitá-lo, por que, então, entrar com uma ação judicial? O bom senso deveria prevalecer para preservar a convivência de pai e filha, que se gostam e tinham um contato muito bom”, diz Amarante. Como João Gilberto não sai de casa, o encontro com a filha só poderia acontecer na residência dele, onde Cláudia está impedida de entrar e, dizem, a menina também. Amarante afirma que Cláudia não foi citada em ação de prestações de contas. “Se entrarem com esse processo, vão perder porque ela não tem obrigação de prestar contas já que nunca administrou, não é mandatária, empresária, não tem procuração ou vínculo contratual, nunca recebeu dinheiro ou exerceu a função de representante legal. Exceto, claro, nos anos em que João Gilberto pagou pensão alimentícia à filha, pouco e durante o tempo em que foi possível. Há muito, entretanto, ele não contribui financeiramente.” Segundo o advogado, sua cliente é que pagava contas para o músico, como o plano de saúde dele, “até o momento em que sua situação financeira permitiu.”

Três Mulheres de João
Depois do casamento com Astrud Gilberto, com quem teve o primeiro filho, vieram novos relacionamentos, histórias de amor e uma permanente confusão financeira.

Cláudia Faissol, 46 anos, reside em São Paulo, atualmente, e trabalha em mercado de arte. Filha de família tradicional e rica, Cláudia se acostumou com a fama devido ao pai, o dentista Olympio Faissol, ter tido uma clientela famosa e de elite. Mas o nome dela se tornou nacionalmente conhecido após a revelação bombástica: a filha, então com dois anos, tinha como pai biológico a maior lenda da música brasileira. E, hoje, provavelmente o mais endividado: estimativas divulgadas sugerem que João Gilberto esteja devendo cerca de R$ 9 milhões.

Dívida com o Opportunity

O advogado contesta: “Não! É bem menor. A mais alta se refere ao processo dos shows que ele se comprometeu a fazer, em 2011, e não fez. O valor é de R$ 3,5 milhões.” A soma do restante, acredita ele, não chega ao valor noticiado. Outro grande problema é a dívida que João contraiu com o banco Opportunity, em 2013, quando fez empréstimo de R$ 10 milhões, e chegou a receber metade, R$ 5 milhões. Os filhos questionam o suposto sumiço do valor e culpam a ex-namorada. Ela rebate afirmando que tudo foi para a conta particular dele e que não geriu o montante. “Só o João Gilberto pode dizer o que fez com esse dinheiro. Consta que boa parte foi para pagamento de custos do processo contra a EMI”, diz o advogado. O citado processo é de João Gilberto contra a gravadora e cuja indenização a ser recebida por ele, segundo os cálculos do TJ-RJ, seria, inicialmente, de R$ 170 milhões. O processo se arrasta há décadas e cobra uso indevido de direitos autorais, danos morais e devolução de fitas masters (originais) de discos como “Chega de saudade” (1959), “O amor, o sorriso e a flor” (1960) e “João Gilberto” (1961). Mesmo que haja revisão de valor, o artista será um homem muito rico quando receber a indenização. Se a Justiça for lerda, como tem sido, e levar mais décadas para bater o martelo, quem irá embolsar a fortuna serão os herdeiros, justamente.

Até lá, porém, a situação do músico sensibiliza os amigos e fãs, como o publicitário Nizan Guanaes, que resolveu reunir a classe artística para socorrer o cantor neste momento difícil. Mas não há definição, ainda, de como seria essa ajuda. “Estou falando com muitos artistas e todos querem ajudar. Não é simples, é muito complexo, mas estamos vendo todas as possibilidades”, disse Nizan. Irmã de Miúcha e ex-cunhada de João Gilberto, a cantora e compositora Ana de Holanda acha que a iniciativa “precisa levar em conta quem é a pessoa em foco” — ou seja, a personalidade particular do cantor, considerado um ermitão. “Não sei se ele se sentiria bem com um show beneficente em seu nome. João Gilberto é João Gilberto”, pondera Ana. “Essa cobertura toda da mídia está deixando-o muito abatido”, revela. Amiga do músico, ela afirma que a situação comove a todos, garante que a família “adora o João” e que toda delicadeza é necessária para lidar com os fatos atuais. Os admiradores concordam.

Fonte: IstoÉ
Comentrios.
Deixe um comentrio.