PF indicia na Lava Jato filha do delator Pedro Corrêa
2017-11-03 14:50:57
A Pol�cia Federal (PF) indiciou a ex-deputada Aline Corr�a (PP-SP) por corrup��o passiva e lavagem de dinheiro na Opera��o Lava Jato. A ex-parlamentar � filha do tamb�m ex-deputado Pedro Corr�a, delator do esquema de propinas instalado na Petrobras.

O inqu�rito contra Aline havia sido instaurado a partir da dela��o do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. O relat�rio de indiciamento foi entregue pela PF na segunda-feira e cita ainda o doleiro Alberto Youssef e a empreiteira UTC, controlada pelo executivo Ricardo Pessoa. Todos s�o delatores.

?Entendo que h� ind�cios de autoria e materialidade quanto � pr�tica, por Aline Corr�a, do crime de lavagem de dinheiro e corrup��o, uma vez que aderiu � conduta criminosa de Pedro Corr�a, Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, e tendo provido os meios materiais para a oculta��o/dissimula��o de recursos, recebendo recursos em esp�cie por determina��o de seu pai, e tendo atuado para recebimento de recursos inclusive em benef�cio de sua campanha eleitoral de 2010 (no caso das doa��es realizadas por UTC e Constran)?, afirmou a delegada Renata da Silva Rodrigues, da PF

Paulo Roberto Costa relatou que Aline ?deveria ter algum tipo de beneficio oriundo dos recebimentos do partido a partir da cota devida pelos contratos firmados no �mbito da Diretoria de Abastecimento da Petrobras?. O ex-diretor declarou que ela ?nunca? havia pedido pessoalmente valores a ele, mas que lembrava da ex-deputada ?porque participava de algumas das reuni�es com o grupo principal de dirigentes do PP, em raz�o de ser filha de Pedro Corr�a?.

A PF elencou no relat�rio os acessos de Aline a endere�os comerciais do doleiro. A filha de Pedro Corr�a esteve, segundo os investigadores, em um escrit�rio na avenida S�o Gabriel, em S�o Paulo, por quinze vezes, de agosto de 2010 a setembro de 2012, e por seis vezes, de agosto de 2013 a janeiro de 2014 no endere�o da rua Renato Paes de Barros.

Alberto Youssef declarou, em sua dela��o, que Aline Corr�a ?recebia um repasse mensal dos l�deres do PP no montante de 30.000 reais, oriundos dos recursos do caixa do Partido Progressista na Petrobras?. O doleiro relatou que a ex-deputada ?ia toda segunda ou sexta-feira? a seus escrit�rios ?para reclamar que seu pai e demais dirigentes do PP n�o estavam fazendo os devidos repasses? e pedia que ele realizasse os pagamentos diretamente a ela.

Ouvida como colaboradora da Justi�a, Aline Corr�a afirmou que esteve no escrit�rio do doleiro ?para pegar dinheiro a pedido de seu pai?, diz o relat�rio. ?Esclarece, no entanto, que n�o sabe indicar os valores que recebeu diretamente de Alberto Youssef, mas sabia informar que era sempre dinheiro em esp�cie, acondicionado numa sacola de papel: que seu pai alegava que era um cr�dito que ele possu�a junto a Alberto Youssef?, completa o documento.

De acordo com o depoimento, Aline narrou que seu ?papel? limitava-se a receber o dinheiro, ?sempre das m�os de Youssef, e guardar em seu flat at� que seu pai passasse e o pegasse l�?.

?Muito embora Aline, colaboradora da Justi�a, alegue que ia at� o escrit�rio de Youssef para retirar recursos que, na verdade, pertenciam a seu pai, fato � que a pr�pria declarante confirma ter conhecimento de que a origem dos recursos era o esquema criminoso comandado pelo PP na Diretoria de Abastecimento da Petrobras?, narra a delegada Renata Rodrigues, da PF.
Fonte: Estad�o
Comentrios.
Deixe um comentrio.