Ministra Tereza Cristina: “O Brasil pode se tornar a maior potência mundial do agronegócio”
2020-07-02 10:03:07
O ano passado foi movimentado para a ministra Tereza Cristina, da Agricultura. Foram mais de 17 viagens a países como China, Indonésia e Egito. O objetivo era abrir portas para o agronegócio brasileiro — e, muitas vezes, também botar panos quentes nas polêmicas em que o governo brasileiro se envolvia. Agora, diante da pandemia do coronavírus, as prioridades ganharam novo foco. Em entrevista exclusiva à EXAME, a ministra comenta sobre as principais oportunidades e fragilidades do agronegócio brasileiro em um novo cenário internacional.

Como a senhora vê o aumento do desmatamento da Amazônia e as consequências econômicas disso para o Brasil?
Realmente, o desmatamento aumentou. Isso já está posto e é inegável. Há muito o que ser feito para reverter essa situação. Sou uma defensora do meio ambiente. Em junho, foi concluído o plano de combate ao desmatamento, conduzido pela Vice-Presidência, com metas de redução do desmatamento e de aumento da regularização fundiária. Agora temos de enfrentar novamente as queimadas na Amazônia, as quais recomeçam em agosto.

Como resolver ambos os problemas?
Foi criada uma operação do governo para coibir atividades ilegais, como grilagem de terras, exploração de minérios e ação dos madeireiros na Amazônia, na qual me empenhei. Em relação às queimadas, vamos começar neste mês um trabalho de assistência técnica aos pequenos produtores da Amazônia, que em geral não contam com orientação sobre as boas práticas de agricultura.

Por que neste ano o Plano Safra vai destinar 30% mais de subsídios para o seguro rural?
Estamos destinando 236 bilhões de reais, 6% mais do que no ano passado, para atender às maiores dificuldades dos produtores. Uma delas é o acesso ao seguro, que é caro no Brasil. Com essa subvenção, o produtor vai poder separar uma parte maior do faturamento para a aquisição de novas tecnologias, inclusive aquelas que colaboram para a sustentabilidade.

O que o país precisa fazer para que o agronegócio avance mais?
Precisamos melhorar a cobertura do 4G no campo. Temos tecnologias fantásticas, mas, muitas vezes, não é possível acessá-las porque a internet cai toda hora. Precisamos resolver esse assunto. Nossa infraestrutura de transporte, que já avançou, ainda é algo que encarece o custo Brasil, então também precisa ser melhorado.

Como a pandemia impactou o agronegócio?
O Brasil importa grande parte de alguns insumos utilizados nos fertilizantes. Um deles é o potássio. Com o coronavírus, ficou claro que não podemos depender tanto de importações de produtos tão essenciais. Estamos desenvolvendo alternativas para ampliar a fabricação local deles.

E quais são as oportunidades ainda não exploradas?
Há muitas. Podemos, por exemplo, aumentar os embarques de frutas. Quando estive na Índia, vi que há espaço para exportar mais café e até gergelim, muito consumido por lá. O Brasil pode se tornar a maior potência mundial do agronegócio.
Fonte: Exame
Comentrios.
Deixe um comentrio.